Creation Science News


Cientistas sul-africanos acham fósseis de ancestral do homem
14/07/2012, 9:03 PM
Filed under: :::::: PUBLICAÇÕES: A - Z ::::::

Fragmentos em rocha podem pertencer a hominídeo encontrado em 2009. Entre as partes descobertas, estão mandíbula, fêmur, costelas e vértebras.

Dente encontrado na rocha pode ser de crânio de hominídeo descoberto em 2009 (Foto: Alexander Joe/AFP)

Partes do esqueleto de um ancestral humano achadas em uma rocha na África do Sul foram anunciadas nesta sexta-feira (13) por cientistas.

Foi a primeira vez que um achado arqueológico foi comunicado ao vivo pela internet, como forma de atrair a comunidade científica e o público leigo.

Acredita-se que os ossos, incrustados em uma rocha sólida de 1 metro de diâmetro, pertençam ao hominídeo ‘Karabo’, da espécie Australopithecus sediba. O exemplar foi descoberto em 2009 no sítio arqueológico de Malapa, região do país rica em cavernas e explorada desde 1935.

As novas partes foram encontradas nesse mesmo local, por pesquisadores do Instituto Wits para a Evolução Humana, da Universidade de Witwatersrand, em Joanesburgo. Há uma mandíbula, um fêmur (o maior osso do corpo humano, localizado na perna), costelas, vértebras e fragmentos de membros.

Ilustração artistica em 3D de um hominídeo ‘Karabo’, da espécie Australopithecus sediba.

Segundo o pesquisador Lee Berger, especialista em paleoantropologia, algumas partes nunca foram vistas de forma tão completas em fósseis de ancestrais humanos. Se elas realmente forem de Karabo, esse será provavelmente o esqueleto de hominídeo mais completo que existe.

O conteúdo da rocha foi examinado por um escaner de tomografia computadorizada e, para um observador leigo, os ossos ficam invisíveis.

Em breve, um espaço deve ser construído no museu Maropeng, que abriga 13 áreas de escavação de fósseis na região, para que o esqueleto possa ser visto ao vivo ou online.

Os australopitecos – do latim australis (“do sul”) e do grego pithekos (“macaco”) – formam um gênero de vários hominídeos extintos, bastante próximos aos do gênero Homo, ao qual pertence o homem. O Australopithecus sediba (que significa “fonte de água”) viveu entre 1,78 milhão e 1,95 milhão de anos.

G1

Referência:

1. “New Sediba fossils found in rock” (University of the Witwatersrand in Johannesburg, 12 July 2012)

2. Lee R. Berger, Darryl J. de Ruiter, Steven E. Churchill, Peter Schmid, Kristian J. Carlson, Paul H. G. M. Dirksand Job M. Kibii “Australopithecus sediba: A New Species of Homo-Like Australopith from South Africa” (Science, 9 April 2010: Vol. 328 no. 5975 pp. 195-204 DOI: 10.1126/science.1184944) [DOI: 10.1126/science.1184950] [DOI: 10.1126/science.328.5975.154 ]


2 Comentários so far
Deixe um comentário

Isso não é nenhum ancestral do homem é mais um personagem criado da cabeça dos evolucionistas querendo provar que houve uma macro-evolução de espécies. O mais fácil de tudo é fazer esculturas para chamar a atenção dos ignorantes!

Comentário por Francisco Prestes

Os evolucionistas ficam dia e noite pensando o que vão fazer para tentar enrolar a humanidade. Pegam dente de proco e diz que é ancestral do homem. Pegam metade de um cranio de macaco e outro de seres humano, fazem uma salada, junta os cacos, e dizem ser uma prova da evolução humana.

t+

Comentário por Pedro




Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: