Creation Science News


Terremoto e tsunami no Chile teriam afundado solo marinho, diz estudo
04/05/2012, 9:18 AM
Filed under: :::::: PUBLICAÇÕES: A - Z ::::::

Pesquisa detectou mudanças no movimento das marés em praias do país. Superfície terrestre teria sido modificada após tremor de magnitude 8,8.

As duas primeiras imagens mostram a situação da praia de Maule antes (before em inglês) e depois (after em inglês) do terremoto. As duas imagens a seguir mostram o antes e depois em Boyeruca. Solo marinho afundou depois de terremoto na costa do Chile. (Foto: Divulgação)

O forte terremoto que atingiu a região de Maule, no Chile, em 2010, pode ter afundado o solo marinho em determinadas áreas e causado o desaparecimento de habitats naturais, segundo estudo publicado na “PLoS ONE”.

A pesquisa, divulgada nesta quarta-feira (2) foi realizada por cientistas de universidades do Chile, Estados Unidos e Alemanha.

Eles apontaram casos de subsidência (deslocamento de superfícies terrestres para baixo) encontrados em algumas praias, o que modificou a altura de alcance das marés, por exemplo (veja imagem ao lado).

Tais fenômenos foram detectados em praias de Maule e Boyeruca, por exemplo. O estudo aponta ainda houve uma redução na quantidade de espécies e habitats naturais nessas áreas.

Em algumas praias de areia brancas, por exemplo, não há mais presença de alguns tipos de vegetais marinhos.

Impacto positivo
Já em localidades onde existiam barreiras construídas pelo homem (conhecidas como quebra-mar), agora é possível verificar a presença de invertebrados nos costões rochosos.

Segundo a pesquisa, já há indícios de colonização de invertebrados nessas áreas, que antes eram excluídos devido às barreiras impostas.

Esses animais teriam sido “afastados” dessas áreas devido às construções e agora “retomam” a região como consequência da catástrofe.

Em 27 de fevereiro de 2010 um terremoto de magnitude 8,8 atingiu o Chile e durou cerca de três minutos. O tremor causou um tsunami de 2,6 metros na região de Valparaíso e foram confirmadas 723 mortes. Porém, o governo chileno trabalha com um grande número de desaparecidos.

Fonte: G1

Referência:

1. Eduardo Jaramillo, Jenifer E. Dugan, David M. Hubbard, Daniel Melnick, Mario Manzano, Cristian Duarte, Cesar Campos, Roland Sanchez “Ecological Implications of Extreme Events: Footprints of the 2010 Earthquake along the Chilean Coast” (PLoS ONE, 2 May 2012, 7(5): e35348. doi:10.1371/journal.pone.0035348)


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: