Creation Science News


Flor da era dos dinossauros pode ter tido papel em extinção
02/04/2011, 7:53 AM
Filed under: :::::: PUBLICAÇÕES: A - Z ::::::

Pesquisadores acreditam que algumas espécies não se alimentavam de plantas com flores

Plantas encontradas na China podem ser explicação para extinção de algumas espécies de dinossauros

Observe com atenção as folhas e flores preservadas na imagem abaixo. É possível que talvez – e apenas talvez – elas tenham tido um papel indireto na extinção de grandes espécies de dinossauros.

A Leefructus mirus tem cerca de 124 milhões de anos e é um dos angiospermas mais antigos já encontrados. Isso faz com que elas sejam as “parentes” mais próximas das plantas que encontramos atualmente.

As folhas preservadas foram encontradas no nordeste da China, em um região já conhecida por seus fósseis de dinossauros. Alguns pesquisadores sugerem que a aparência das folhas com flores foi parcialmente responsável pelo desaparecimento de algumas espécies de dinossauros.

As angiospermas, plantas floridas, tinham uma vantagem evolutiva sobre as coníferas gimnospermas e outras espécies que estavam ao redor no momento. Apesar de aves, mamíferos e insetos começarem a alimentação nas plantas novas, cada um passando por um período de intensa diversificação, há poucas evidências de que os dinossáuros que não voavam consumiam este tipo de planta.

As gimnospermas, plantas sem flores, continuaram a fornecer alimentos aos dinossauroo, mas é possível que o destino de algumas espécies foi selado por não aderirem à revolução das flores.

É apenas uma hipótese, e não há unanimidade entre os pesquisadores. Mas ainda assim, é um bom assunto para ser discutido na mesa de bar.

Referências:

1. Ge Sun, David L. Dilcher, Hongshan Wang, Zhiduan Chen. “A eudicot from the Early Cretaceous of China” (Nature, 2011; 471 (7340): 625 DOI: 10.1038/nature09811)

2. “Pressed flowers from the era of the dinosaurs” (New Scientist, 30 March 2011)

3. “Fossil Is Best Look Yet at an Ancestor of Buttercups” (Science Daily, 31 March 2011)

——————————————————-

COMENTÁRIO:

Por Daniel F. Zordan

Devido à obrigatoriedade de visita às flores e a grande diversidade de espécies, as abelhas são consideradas os principais polinizadores das Angiospermas. A relação próxima entre abelhas e plantas resultou em muitas adaptações comportamentais ou morfológicas para a liberação e aquisição dos polens das flores. Em alguns casos, o pólen é transportado pelo vento.

As abelhas são um dos insetos polinizadores mais importantes, já que visitam muitas flores. Quando pousam sobre uma flor, seu corpo fica coberto de pólen e, ao visitar a flor seguinte, parte do pólen se desprende, polinizando a planta. Como não havia abelhas naquele período os cientistas acreditam que moscas, besouros ou mariposas (extintas) possam ter feita polinização das plantas (Apenas suposições!).

Darwin chamou a origem das plantas com flores de “um mistério abominável. Elas aparecem no registro fóssil abundante e variada, criando um problema para sua teoria de mudança lenta e gradual (Gradualismo). Com essa nova descoberta os pesquisadores pretende explicar essa contradição. A descoberta empurra o surgimento das plantas com flores para 127 milhões de anos atrás, durante o período Cretáceo. São milhões de anos antes do que se pensava anteriormente.

A datação foi baseada através das rochas em torno do fóssil e os métodos utilizados foram Argon 40/39 e UrânioChumbo.

O problema com as datações radiométricas é que: Não têm como afirmar que o decaimento dos isótopos radioativos foi sempre constante – Não tem como afirmar que nunca houve contaminação – Não tem como afirmar quais eram as condições iniciais.

É possível saber qual é o decaimento radioativo hoje, mas não é possível saber se sempre foi constante (igual) ou se teve variações, bem como, quais eram as condições inicias (quantidade).

Descobertas indicam que as taxas de decaimento radioativo podem ter sido aceleradas no passado não observável (http://www.logosresearchassociates.org/Documents/Baumgardner/Helium-Diffusion-Rates-Support-Accelerated-Nuclear-Decay.pdf).

The peace of God


23 Comentários so far
Deixe um comentário

Bem, como agrônomo e geólogo creio que posso dar um parecer menos leigo sobre este assunto, achar que alguma espécie de dinossauro desapareceu porque houve uma predominancia de angiospermas sobre gimnospermas em um dado periodo não é correto, pois mesmo se estas espécies de dinossauros tivessem uma alimentação exclusivista, tipo Pandas ou Coalas modernos que só comem bambus e eucaliptos, sua população teria apenas diminuido, pois as angiospermas nunca conseguiram a exclusividade em nenhum ambiente, apesar de serem a maioria das especies vegetais atuais, mas quando apareceram sua diversidade era muito baixa, indicando que não se adaptariam a qualquer lugar.

Sobre o comentário da moderação do blog sobre a relação das abelhas com as angiospermas, não é procedente, abelhas não são ESSENCIAIS a nenhuma espécie vegetal, apenas em sua falta diminui o numero de frutos/sementes viáveis destas plantas, por exemplo as maçãs, já o vento tem papel polinizador insubstituivel, as abelhas apenas fazem o mesmo de forma mais detalhada e economica de polem.

Notem tambem que os primeiros fosseis de plantas com flores eram rasteiros, baixos, e portanto qualquer animal que passasse e encostasse nestas plantas tambem espalharia o polem, não precisaria haver insetos especializados, que como mostra a fauna atual, surgem para aproveitar algum nicho inexplorado e SEMPRE aparecem DEPOIS de sua fonte de alimento. Tanto que fósseis de abelhas só são encontrados muito tempo depois dos das plantas com flores.

Agora sobre a datação de rochas, alegar que o decaimento não foi sempre constante é o mesmo que afirmar que a gravidade não foi sempre igual, ou que a luz nem sempre teve a mesma velocidade, ou que o magnetismo era mais forte ou mais fraco em eras passadas, ou seja, são opiniões sem fundamento e base real, e aquele artigo citado por voces sobre a difusão de hélio nas rochas, do Humphrey, é pura especulação e desonestidade intelectual, e já foi refutado várias vezes por geólogos, físicos e engenheiros.

E não entendi o que voces quiseram dizer com “Não tem como afirmar quais eram as condições iniciais (quantidade)”.

Comentário por Adriano Vicente

“Agora sobre a datação de rochas, alegar que o decaimento não foi sempre constante é o mesmo que afirmar que a gravidade não foi sempre igual, ou que a luz nem sempre teve a mesma velocidade, ou que o magnetismo era mais forte ou mais fraco em eras passadas, ou seja, são opiniões sem fundamento e base real, e aquele artigo citado por voces sobre a difusão de hélio nas rochas, do Humphrey, é pura especulação e desonestidade intelectual, e já foi refutado várias vezes por geólogos, físicos e engenheiros.”

R: GRAVIDADE: A única coisa que podemos afirmar é que sempre foi motivo de especulações. Einstein décadas atrás derrubou a teoria de Newton, quando explicou a gravidade como dobras no espaço-tempo. Uma publicação feita em 08/2010 afirmava que a “Leis da Física podem variar ao longo do Universo”, https://creationsciencenews.wordpress.com/2010/09/25/leis-da-fisica-podem-variar-ao-longo-do-universo/

Nas pesquisas o que se falava há séculos atrás hoje não passa de ficção. Em ciência, a única coisa que se pode afirmar é que “existe evidencias para tal teoria, mas NÃO CERTEZA.”

Ano passado o físico holandês Erik Verlinde, professor da Universidade de Amsterdam, gritou ao mundo dizendo “For me gravity doesn’t exist.”[ “Para mim, a gravidade não existe”] publicado no jornal The New York Times: http://www.nytimes.com/2010/07/13/science/13gravity.html?pagewanted=1&_r=1

Nada pode ser comprovado. Para Darwin – célula era algo muito simples…Mas hoje sabemos que é muito mais complexa do que poderiam imaginar. Como o próprio Richard Dawkins diz “A informação contida em uma única ameba, daria para preencher 30 enciclopédias britânicas”

Ou seja, a ciência esta gatinhando, e foi com os erros que evoluiu e continua evoluindo a cada dia.

DATAÇÃO DAS ROCHAS: Humphrey não foi o único a fazer pesquisas sobre as rochas. Não sei é de seu conhecimento, mas Robert V. Gentry, físico nuclear do Oak Ridge National Laboratory, fez varias publicação em periódicos científicos afirmando que vestígios de polónio inscritos no granito apontavam para um surgimento “quase que instantâneo”, e não por processos de resfriamento lento ao longo de milhares de anos.
http://www.sciencemag.org/content/160/3833/1228
http://www.sciencemag.org/content/169/3946/670
http://www.sciencemag.org/content/184/4132/62

Você pode ver mais detalhes em seu site: : http://www.halos.com/ e http://www.orionfdn.org/

Você afirma que “é pura especulação e desonestidade intelectual, e já foi refutado várias vezes por geólogos, físicos e engenheiros” – Discordo!!!! Não acho que seja “especulação e desonestidade intelectual”, mas sim, que todos nós temos o direito de pesquisar, seja criacionista ou naturalista.

Ciência não tem dono!

A ciência moderna surgiu na EUROPA CRISTÃ, com Galileu Galilei (1564-1642) e depois com Isaac Newton (1642-1727). Ambos eram cristãos!!!! Nem por isso deixaram de estudar ciência.

O que quero frisar é que a CIENCIA MODERNA (Experimental) surgiu com teistas. Mas hoje os naturalistas querem tomar posse da mesma ao afirmar que suas teorias são fatos, e que criacionistas fazem apenas “especulações e desonestidade intelectual”.

A publicação do livro “Why Beliefs Matter: Reflections on the nature of science” na Revista New Scientist ano passado, trazia o titulo: “The faith that underpins science” [“A fé que sustenta a ciência”] http://www.newscientist.com/blogs/culturelab/2010/08/the-faith-that-underpins-science.html
.
A matéria afirmava que cientista não conseguem entrar no laboratório e deixar a filosofia do lado de fora (tanto criacionista, como naturalista).

“Scientists, like everyone else, have beliefs,” diz o matemático Brian E. Davies. “Cientistas, como todo mundo, tem crenças” – Isso sim é fato! Ele não está se referindo apenas às crenças religiosas, mas também – filosóficas. Enquanto as crenças religiosas pode ser fácil deixar na porta do laboratório, crenças filosóficas são muito mais difíceis de pôr de lado.

As crenças são visões do mundo, nas quais usamos para avaliar outras crenças.

Sendo assim, não acho viável, nem humilde de sua parte afirmar que publicações que não corroboram com sua filosofia (crença), sejam desonestas. Temos visões filosóficas diferentes o que não mudam em os fatos, apenas as interpretações.

Graça e Paz, e obrigado por participar do Blog.

Por Daniel F. Zordan

Comentário por Daniel F. Zordan (Creation Science News)

Bom dia, e obrigado pela resposta ao meu comentário. Bem, terei de ir por partes, muita coisa junta confunde a cabeça, né, primeiro Einstein não derrubou as leis de Newton, estas continuam valendo e funcionando como sempre, e ainda são ensinada nas escolas normalmente, Einstein esclareceu o porque das leis de Newton funcionam, mas não as substituiu, aliás, dado ao parco conhecimento de sua época, podemos dizer que Newton contribuiu para o conhecimento da humanidade tanto ou mais que Einstein.

Quanto as leis da física serem variáveis, o artigo postado sobre a variação da constante alfa ainda não foi confirmado por outras pesquisas, mas sabe-se que variações em α como as observadas, de 0,00001 tem um efeito irrisório sobre o universo, o problema seria se esta variação fosse maior que 0,1 o que configuraria o fim do principío da equivalencia, que diz que as leis da física são as mesmas em qualquer lugar. Mas a nível de universo, o eletromagnetismo é muito mais fraco que a gravidade, portanto um desequilíbrio entre a energia do campo elétrico e a do campo magnético pode causar estas pequenas mudanças em α, sem maiores consequencias.

Comentário por Adriano Vicente

Sobre o Erik Verlinde, que diz que a gravidade não existe, lí o papel dele e confesso que não consegui entender o que ele quis dizer com isso, explicar a gravidade como um efeito secundário da termodinamica, mais precisamente da entropia me parece algo meio maluco, mas de qualquer forma é apenas a opinião dele, aliás uma conjectura impossivel de comprovar, ao contrário da teoria tradicional de Einstein.

Comentário por Adriano Vicente

E quando voces afirmam que em ciencia existem apenas evidencias, mas não CERTEZAS, isto é verdade, mas não constitui demérito, o importante é que estas “apenas teorias” e “apenas evidencias” funcionam na vida real, e são a base da tecnologia espacial, medicina, agricultura, etc, e não posso concordar que a ciencia esteja apenas engatinhando, avanços enormes ocorreram em todas as áreas, ao contrario da religião, que sempre está presa aos mesmos dogmas, sem “evidencias” e sendo questão de fé.

E atribuir o avanço da ciencia experimental ao cristianismo é discutível, as primeiras universidades nem eram cristãs, e o cristianismo fez de tudo para impedir que idéias novas, como as de Galileu ou Giordano Bruno fossem publicadas, inclusive proibia estudos como os de anatomia, e se fosse pelo cristianismo ainda estariamos acreditando que a terra é o centro do universo.
E em uma época em que as pessoas eram queimadas em praça pública por pensarem diferente dos cristãos, e em que o estudo era praticamente monopólio da igreja, não é de se surpreender que Galileu e Newton fossem cristãos, simplesmente eles não tiveram outra escolha.

Comentário por Adriano Vicente

“e não posso concordar que a ciencia esteja apenas engatinhando, avanços enormes ocorreram em todas as áreas, ao contrario da religião, que sempre está presa aos mesmos dogmas, sem “evidencias” e sendo questão de fé.”

R: “Engatinhando”; expressão para descrever que há muito que pesquisar e desvendar. Como você bem mencionou, a ciência tem avançado muito de 150 anos para cá. No entanto há muitos mistérios – as origens do universo e da vida são algumas delas.

Religião não esta a presa a dogmas, apenas segue a orientação do criador.

Discordo que não há evidencias sobre a nossa fé. Não temos uma fé cega. Se alguém acredita em algo é porque existe evidencias para tal.

Suponho que você deve ser casado.

Se você me disser “Minha mulher me ama”
Eu digo: “Como você sabe que ela o ama? Você não pode “ler/ver” os “pensamentos/sentimentos”, como pode acreditar nisso?”
Você responde: “Tenho evidências para isso”.
Eu digo: “Quais evidências?”
Você responde: “No olhar, no carinho, modo que me trata e etc.”
Eu digo: “Não vejo nada disso. Você esta cego… Isso é ilusão… Esse amor não existe. Você pode ter evidências, mas não certeza. Ao menos que você possa ler pensamentos.”

Ou seja, ainda que muitos duvidem, não perceba, não veja, não acreditem no amor de sua esposa por você. Você sempre acreditará nela. Isso é fé.

Conclusão… Fé é acreditar naquilo que não se vê. Porem há evidências para crença. Com DEUS é a mesma coisa.
Uma das maiores evidências para nossa crença são os próprios mártires. Testemunhas oculares que morrem por terem não somente fé, mas certeza daquilo que creram.

Por Daniel F. Zordan

Comentário por Daniel F. Zordan (Creation Science News)

Entendi perfeitamente o seu conceito de fé, e concordo com ele, mas e se alguem me disser “hoje Deus falou comigo, ouví sua voz, por isso sei que ele existe”, isto é válido como evidência?

Sobre mártires, como voce explica então Pedro, um dos apóstolos mais queridos de Jesus ter o negado não uma, mas tres vezes? LC 22:33~ , Ele não tinha certeza?

Comentário por Adriano Vicente

Muito boa sua explicação sobre Pedro, obrigado, coloquei esta questão por voce considerar que mártires seriam uma evidencia para a existencia de Deus, mas não concordo, homens sempre morreram por suas certezas, mesmo que infundadas. Veja o caso dos homens-bomba muçulmanos atuais, eles tambem tem não somente fé, mas certeza, a ponto de morrerem por isso.

Comentário por Adriano Vicente

“E atribuir o avanço da ciencia experimental ao cristianismo é discutível, as primeiras universidades nem eram cristãs, e o cristianismo fez de tudo para impedir que idéias novas, como as de Galileu ou Giordano Bruno fossem publicadas, inclusive proibia estudos como os de anatomia, e se fosse pelo cristianismo ainda estariamos acreditando que a terra é o centro do universo.”

R: Você citar a o cristianismo é forçar a barra. Se você disser ICAR (Igreja católica apostólica romana) eu concordo.
ICAR não é autoridade para falar do que é certo ou que é errado. E não foi por menos que Martin Luther e dentro outros reformistas lutaram contra a doutrina da Igreja (Reforma protestante).

E por falar em Luther (lutero), suas criticas a igreja começaram por volta de 1517. Galileu nasceu 1564 (47 anos depois) e Newton 1642 (125 anos depois). Ou seja, na época deles a ICAR já não tinha mais domínio sobre os protestantes que cresciam a cada dia. Sendo assim, é evidente que muitos cristãos já possuíam sua própria confissão de fé.

Newton era cristão protestante, não católico!!! Chegou até a interpretar o livro de Daniel e Apocalipse, algo totalmente contra a ICAR.Não tinha porque fingir ser cristão. Em Oxford ou Cambridge, o rei sempre nomeava católicos para assumir a função no estado. Newton era protestante e opôs-se veementemente ao que considerou um ataque à Universidade de Cambridge. Sendo assim, Newton não temia em nada a ICAR. Ele acreditava em DEUS porque tinha evidências para isso.

“A maravilhosa disposição e harmonia do universo só pode ter tido origem segundo o plano de um Ser que tudo sabe e tudo pode. Isso fica sendo a minha última e mais elevada descoberta.” Isaac Newton

A Bíblia nunca disse que a terra era o centro do universo, ou que era plana. Esse era o entendimento da época. Mas basta analisarmos com o conhecimento de hoje para podermos entender as escrituras.

Por Daniel F. Zordan

Comentário por Daniel F. Zordan (Creation Science News)

Isso, a Biblia reflete o conhecimento típico da época em que foi escrita, a maioria do qual provindo dos gregos e egipcios, como a água da chuva estar encerrada dentro das nuvens em forma líquida, em GN 7:11-12 “e as janelas dos céus se abriram, E houve chuva sobre a terra quarenta dias e quarenta noites.” ou em JÓ 26:8 “Prende as águas nas suas nuvens, todavia a nuvem não se rasga debaixo delas.”

O pensamento grego era a terra ser fixa, achatada, com um formato circular como uma pizza, com um abismo no final, e coberta por uma abóbada como uma tenda, onde estavam encrustradas as estrelas com o Sol e a Lua girando em volta, em ECLESIASTES [1:5] “O sol nasce, e o sol se põe, e corre de volta ao seu lugar donde nasce.”, alem de mostrar que era o sol que se movia, e não a terra, o “corre” provavelmente é uma referencia a teoria grega dos dias serem mais longos que a noite devido ao caminho “por baixo” da terra ser reto, portanto mais curto que quando tinha que contornar o firmamento em forma de cúpula.

É a este formato do planeta que alude IS 40:22 “Ele é o que está assentado sobre o círculo da terra, cujos moradores são para ele como gafanhotos; é ele o que estende os céus como cortina, e os desenrola como tenda, para neles habitar”, note que está escrito CÍRCULO e não BOLA, como seria referida uma esfera na época, e que seria palavra mais adequada para a forma real da terra, mas esta ainda não era conhecida.

PV 08:29 “Quando fixava ao mar o seu termo, para que as águas não traspassassem o seu mando, quando compunha os fundamentos da terra.”

JÓ 26:10 “Marcou um limite sobre a superfície das águas em redor, até aos confins da luz e das trevas.”, este versículo tambem é encontrado em algumas Bíblias assim “Marcou um limite circular sobre a superfície das águas, onde a luz e as trevas se confinam”

DT 33:13 “E de José disse: Bendita do SENHOR seja a sua terra, com o mais excelente dos céus, com o orvalho e com o abismo que jaz abaixo.”

Citando a cúpula sobre a terra, em AMÓS 9:6 “Ele é o que edifica as suas câmaras no céu, e funda sobre a terra a sua abóbada…”

E em Josué 10:12, é o Sol que se detem sobre Gibeom, bem como a Lua sobre Aijalom, indicando que era considerado que tanto o Sol quanto a Lua giravam em torno da Terra, que era fixa.

Esta idéia é mais clara em SALMOS 96:10 “Dizei entre as nações: O Senhor reina; ele firmou o mundo, de modo que não pode ser abalado…”, e em I CRÔNICAS 16:30 “Trema diante dele toda a terra; o mundo se acha firmado, de modo que se não pode abalar.”

Apenas como curiosidade, a citação de GN 1:16 “Deus, pois, fez os dois grandes luminares: o luminar maior para governar o dia, e o luminar menor para governar a noite; fez também as estrelas.” ou seja, o Sol traz o dia e a Lua traz a noite já era uma idéia obsoleta à época, os gregos tinham notado que a Lua podia aparecer de dia sem que escurecesse e haviam descartado esta teoria, ela é encontrada em manuscrito grego antigo, bem como em hieróglifos egipcios.

Comentário por Adriano Vicente

Agora sobre datação de rochas, tenho mais de 30 anos de experiencia no assunto, e quando afirmo que tanto o Humphreys como o Gentry são desonestos e parciais em suas pesquisas SEI o que estou dizendo, por exemplo, porque eles escolheram justamente decaimento radioativo e difusão de Hélio nas rochas para “comprovar” que a terra teria pouca idade, quando qualquer estudante de geologia sabe que Hélio não é um método de datação confiável, simplesmente porque não dá para tomar a quantidade de 4He presente na rocha e atribuir a uma simples sequencia de decaimento alfa, pois QUALQUER material radioativo presente na rocha, seja Uranio, Plutonio, Tório, Radio, Césio, Cobalto, etc, soltam continuamente 4He, o que torna impossivel saber de onde veio o Hélio, coisa que o Humphreys atribuiu exclusivamente ao Uranio e Tório, só isso já invalida o trabalho dele.

E engraçado que quando convem, a datação radiométrica pode ser usada como base de cálculo de idade da terra, mas já para os fósseis, aí não é confiável, vai entender isso…

E no projeto RATE, do Humphreys, ele conclui que a idade da terra é de 6,000 ± 2,000 anos, quando na tabulação dos resultados da tabela III o desvio padrão corretamente calculado seria 6,000 ± 4,600 anos atrás, só por aí já dá para ter uma idéia da honestidade dele, alem da possibilidade da terra poder ter sido criada no ano 600 Antes de Cristo, um absurdo isso.

Outra coisa que salta aos olhos na pesquisa do Humphreys da velocidade de difusão de Hélio na rocha é o tratamento dado as amostras, elas foram moídas e o He extraído à vácuo, quando o correto seria serrar um bloco de zirconio em forma de cubo, LIMPAR bem as faces para não ficar partículas pequenas, o que mascara o resultado, e deixar em uma camara com pressão semelhante a profundidade onde foram colhidas as amostras, e JAMAIS no vácuo, pois este “puxa” muito mais rápido o He do que o ambiente natural, e deturpa o resultado.

Aliás, um dos críticos do trabalho do Humphreys, Kevin Henke, fez 81 questionamentos não-respondidos, em http://www.talkorigins.org/faqs/helium/zircons.html , no anexo C.

Comentário por Adriano Vicente

Todos nós sabemos uqe datação são baseadas em suposições. Ao menos que alguem viveu a milhões de anos e pode nos garantir que isso é fato.

Como saber que tal fóssil viveu há milhões de anos? ou como saber que a quantida de C14 era a mesma na atmosfera há milhares de anos? IMPOSSIVEL!!!!!!! São apenas suposições.

Namaste

Comentário por Leo

Leo, por favor, leia a resposta abaixo, ela serve tambem no seu caso. Outra coisa, a datação por C14 independe da quantidade de carbono atmosférico, ela é feita do mesmo modo que o explicado abaixo, apenas em vez de uranio e chumbo é usada a relação entre C12 e C14, é a proporção entre os dois, não a quantidade que importa.

Comentário por Adriano Vicente

“E engraçado que quando convem, a datação radiométrica pode ser usada como base de cálculo de idade da terra, mas já para os fósseis, aí não é confiável, vai entender isso…”

R: Não acredito que a terra tenha 6.000 anos! O universo pode ter milhões, bilhões, trilhões de anos, isso não é anti-bíblico. A Bíblia apenas nos diz “NO princípio criou Deus os céus e a terra.” Gen. 1:1
Quando isso aconteceu? Não sabemos.

Mas quando citei Gentry e Humphreys, não foi da dar ênfase de que a terra tenha 6.000 anos. Mas sim que há evidências de que as datações radiométricas podem não ser exatas, ou verdadeiras.

Se você analisar o primeiro capitulo de Gênesis perceberá que os dias citados não podem ser dias literais de 24h. Dias da criação em Gênesis não podem ser interpretadas como literais.

Você pode me dizer o que DEUS fez no 6º dia?

Por Daniel F. Zordan

Comentário por Daniel F. Zordan (Creation Science News)

Ok, então voces não compartilham da teoria da terra jovem, menos mal, já que certamente é falha mas acham que datação radiométrica pode não verdadeira, sobre isto posso falar algo, até este ano, os paleontologistas datavam fosseis usando a tecnica de cronologia relativa, onde eram procuradas rochas (normalmente zirconios) o mais proximo possivel do fossil que contivessem amostras de uranio e chumbo em concentração suficiente para fazer a análise, com precisão típica de 2%, mas isto envolvia alguns riscos, como o de que com o passar do tempo forças geológicas e ambientais mudassem de lugar o fóssil e o colocassem em uma camada com idade diferente da dele proprio.

Agora em 2011, Simonetti e Heaman da universidade de Alberta – Canadá, desenvolveram e testaram com absoluto sucesso um novo método de datação a base de Uranio-Chumbo que dispensa a tradicional coleta em rochas adjacentes, pois a medição é feita diretamente no fóssil, usando um laser de precisão que retira minúsculas partículas do osso fossilizado que são sujeitas a análise por um equipamento contador de átomos de última geração, com uma precisão de 1,3% ou melhor, possibilitando saber, alem da idade, por exemplo, o tipo de comida que o animal ingeriu, abrindo assim novos campos de pesquisa.

Explicando como funciona a técnica, ossos vivos contem níveis muito baixos de uranio, mas durante a fossilização (tipicamente em menos de 1.000 anos apos a morte) os ossos são infiltrados com minerais (entre os quais o Uranio), que com a fossilização completa ficam permanentemente presos no interior do fóssil, e começa a contar o chamado relógio uranio-chumbo.
Existem dois tipos de uranio, o 235 e o 238 (235U e 238U) cujos átomos decaem continuamente até tornar-se chumbo 207 e 206 (207Pb e 206Pb). O tempo que demora para que a metade do 235U existente torne-se 207Pb é de 704 milhões de anos, a chamada meia-vida, sendo a do 238U-206Pb bem diferente, de 4,47 bilhões de anos.
Assim, em um osso fossilizado com exatos 704 milhões de anos, encontraremos igual numero de átomos de 235U e 207Pb, já em uma amostra com o dobro da idade, encontraremos uma proporção de 1 átomo de 235U e 3 atomos de 207Pb, e assim por diante, e é esta contagem isotópica que é feita pelo equipamento. Para aumentar a precisão, são contados tambem os átomos de 238U e 206Pb, calculada a idade e feita uma média. Note que deste modo não é necessária uma quantidade mínima de uranio, pois o material é vaporizado e contados os átomos, e o que interessa é apenas a proporção deles, e não a quantidade total. Esta técnica funciona para qualquer vertebrado fóssil.

Comentário por Adriano Vicente

Desculpe, pulei a ultima parte de sua pergunta, acho que, segundo a Biblia, no sexto dia da criação foram feitos os animais terrestres, é isso?

Comentário por Adriano Vicente

“Desculpe, pulei a ultima parte de sua pergunta, acho que, segundo a Biblia, no sexto dia da criação foram feitos os animais terrestres, é isso?”

R: NÃO! Os animais foram criados na 5ª Era ou dia.

O que fez Deus no 6º dia?

(Gn 1:26) (Gn 2:7) Deus cria o homem.

(Gn 2:8) Deus faz um jardim para o homem.

( Gn 2:9) Deus providenciando o alimento pro homem.

(Gn 2:15) Deus colocou o homem no jardim pra q ele cuidasse dele.

(Gn 2:17) Deus explica a Adão o que ele podia comer.

(Gn 2:18) Deus viu que não era bom q o homem estivesse só.

O homem sentiria falta de mulher em um dia de 24 horas?

(Gn 2:19) Deus traz os animais pra que Adão de nome a eles.

Se você tivesse que nomear todos os animais (Incluindo dinossauros); Quanto tempo acha que vai gastar? 24 horas?

(Gn 2:21) Adão dorme!

Por quanto tempo será que Adão dormiu? Não sei. Mas com certeza estava passando o tempo das 24 hr.

(Gn 2:21-22) Deus forma a mulher das costelas de Adão.

(Gn 1:27-28) Deus abençoa os mulher e homem, e fala pra eles se multiplicarem.

(Gn 1:31) Assim Deus findou o sexto dia.

Será possível que os dias são de 24 hr? Olhando desse ponto de vista, para que impossível serem dias de 24 hr.

Analise comigo;

No segundo dia da criação, Deus com todo seu poder, e por ele mesmo: Ele fez tão somente céu (físico) e os mares!

Ou seja, ele gastou todo seu dia apenas pra fazer isso! Pra Ele isso não seria nada!

Mas, Porque então no sexto dia parece ser tão demorado?

Agora já não só exclusivamente depende dele pra findar o dia: Haja visto que ele tinha que esperar o homem se formar, dar nome a animais, dormir, formar a mulher… Etc. Foram muitos eventos em um só mesmo dia de 24H.

O que tudo indica é que Deus Fez tudo em uma sequencia, a questão de dias é apenas um critério antropomórfico; Ou seja, apenas para homem entender! Porque se Deus não se apresentar de forma, e se suas atitudes não forem de forma antropomórfica, o homem não entendera Deus!

É o mesmo que dizer: O sol parou… … Quatro cantos da terra… etc.

Essa é uma linguagem que homem entendia naquele momento, haja visto que hoje sabemos que foi a terra que parou, e que a terra não tem 4 cantos (Eles pensavam que a terra era quadrada e plana).

A bíblia esta cheia de figurativos, e linguagens daquela época, mas basta a nos analisarmos com o conhecimento mais amplo que nos temos hoje!

Por Daniel F. Zordan

Comentário por Daniel F. Zordan (Creation Science News)

Tudo bem, aceitemos então que sejam ERAS no lugar de DIAS, mas pelo menos a sequencia cronológica da criação deve ser entendida literalmente, certo? Então, foram criadoas primeiro as PLANTAS, depois as ESTRELAS, depois os REPTEIS MARINHOS, AVES e BALEIAS (na mesma éra) e posteriormente os animais terrestres, incluindo o homem. Primeiro um observação interessante, notaram como não são mencionados os peixes, será que o autor do texto não sabia onde encaixá-los na sequencia? Pois bem, não tem como plantas aparecerem antes de estrelas, nem repteis marinhos, aves e baleias surgirem antes dos animais terrestres. Então TUDO neste relato do Genesis é simbólico?

Comentário por Adriano Vicente

“Aliás, um dos críticos do trabalho do Humphreys, Kevin Henke, fez 81 questionamentos não-respondidos, em http://www.talkorigins.org/faqs/helium/zircons.html , no anexo C.”

R: Ok!!! Não posso dizer se houve ou não respostas para tais questões referidas à Humphreys.

Mas poso te passar informações de Robert V. Gentry, até onde eu sei não há nada publicado que contrarie sua tese.

Houve muitas críticas e blá-blá-blá, inclusive no site “talkorigins” – e até mesmo por teistas. No entanto, Gentry por varias vezes solicitou que apresentassem provas contra suas teorias e que fossem publicados em periódicos científicos. Mas até onde sei nada foi concretizado, apenas palavras.

Gentry enviou cartas para Dr. KR Walker e Dr. Larry Taylor que foram citados no “talkorigins”,

Debateu com a Institute for Creation Research, http://www.halos.com/faq-replies/icr-open-lt-2003-1-intro.htm

Desafiou / questionou a National Academy of Sciences (NAS) solicitou que explicassem por que a Academia rejeitou as evidências científicas publicadas sobre a criação do Gênesis, que estavam abertas a refutações na literatura científica por mais de 25 anos. http://www.halos.com/faq-replies/gentry-to-nas-3-22-2000.htm e http://www.halos.com/faq-replies/challenge-to-nas.htm

Bem como, Gentry falou sobre as criticas do autor da matéria da “talkorigins”, Thomas A. Baillieul , para um internauta e por coincidência era um Brasileiro da universidade de Santa Catarina. http://www.halos.com/faq-replies/creation-halos-stand-unrefuted.htm

Gentry faz críticas a Richard Dawkins sobre o livro “The God Delusion”: http://www.halos.com/faq-replies/03-2008-daily-texan-ad.pdf

Você pode ver mais cartas por aqui: http://www.orionfdn.org/documents/index.htm

As publicações de Gentry podem ser vista a partir dos links em seu site: http://www.halos.com/reports/index.htm e http://www.robertvgentry.com/

Por Daniel F. Zordan

Comentário por Daniel F. Zordan (Creation Science News)

Minha implicância com o trabalho de pessoas como o Bob Gentry é que tentam demonstrar algo que não tem como ser verdadeiro, que seria uma idade para a terra de menos de 10.000 anos, e usam para isso lacunas e/ou falhas no conhecimento científico. Acho que eles tem todo o direito de defender sua crença, já que se for considerada a genealogia de Adão a Jesus apresentada na Bíblia, a terra NÃO poderia mesmo ser mais velha que uns 10.000 anos, mesmo considerando-se que algumas das pessoas citadas tenham vividos inacreditáveis 900 anos, e a rigor, ou se acredita que toda a biblia é verdadeira, ou tudo fica sob suspeita. O problema é como fazem para “provar” que estão certos.

Resumidamente, a tese de Gentry é de que como os geólogos dizem que os granitos são formados naturalmente, nas profundezas da terra, sob condições de imensa temperatura e pressão, e depois trazidos de volta a superfície por tectonismo e erosão, isto demoraria um tempo muito longo, incompativel com uma terra jovem. Mas, segundo Gentry, para isto ser verdade, os cientistas teriam que ser capazes de reproduzir uma amostra de granito em laboratório, nas mesmas condições alegadas, que apresentasse as mesmas características do granito natural.

Como isso até hoje não foi possivel, pois não existe tecnologia disponivel para simular pressões de 20Km de rochas, sob alta temperatura e deixar isso agindo por alguns milhões de anos, e como não apareceram halos iguais aos do granito natural no fabricado, nem este apresentou as mesmas características físicas do natural, Gentry assume que a única explicação possivel seria a criação instantanea miraculosa divina, a 6.000 anos atrás. Ele tambem não aceita outras datações radiométricas que não as feitas por ele, baseadas no decaimento de Hélio, diz que é só imaginação as estórias de dinossauros que viveram a eras atrás, diz que achou enormes falhas na teoria do Big Bang, enfim, não aceita nada que não seja a criação literal do universo por um sopro divino, em seis dias exatos. E não aceita discutir evidencias contrárias enquanto as suas não forem provadas falsas, assim fica fácil, né?

Comentário por Adriano Vicente

“…Acho que eles tem todo o direito de defender sua crença, já que se for considerada a genealogia de Adão a Jesus apresentada na Bíblia, a terra NÃO poderia mesmo ser mais velha que uns 10.000 anos…”

R: Não sabemos por quanto tempo Adão viveu antes da queda. Pois a bíblia não revela esse fato. Mas por outro lado, nos mostra que o homem comia de todas as frutas do Edem, com exceção da arvore do bem e mal (Gen 2:16-17). No entanto podiam comer da arvore da vida (Gen. 2:9), o que lhes garantiam vida.

A bíblia não revela com clareza, mas tudo indica que Adão e Eva viveram por um longo período de tempo antes da queda.

Outro ponto importante sobre os dias de Gênesis é que todos os dias foram findados por Deus, mas o sétimo não. Sendo assim podemos dizer que Deus esta descansando ate hoje, pois ele não findou o 7º dia, como Ele fizera com os demais dias, dizendo;…”E foi tarde e manha o dia 1,2,3,4,5,6”. Mas com o 7º ele não fez isso. Entao significa que Ele esta descansando ate hoje.

Por Daniel F. Zordan

Comentário por Daniel F. Zordan (Creation Science News)

Certo, aceito como válido seu argumento sobre a idade da terra não poder ser definida somente pela genealogia de Adão-Eva, visto a impossibilidade de saber quanto tempo ficaram no Jardim do Éden.
Aliás, porque os defensores de uma terra jovem não aceitam isso, como eles justificam sua posição?
Como curiosidade minha, o que, na visão de voces, significa exatamente dizer que “DEUS ESTÁ DESCANSANDO ATÉ HOJE”

Comentário por Adriano Vicente

DEUS NAO DESCANSA,na biblia diz que o fim esta perto e realmente esta .Antigamente os homens viviam bem + no começo das escrituras. Ja´pela ciencia o nosso Sol tem apenas + um pouco de vida um total de 12 bilhoes de anos só que vieu 4,5 bilhoes entao resta apenas 7,5 bilhoes .Mas resaltando que daqui +uns 3,5 bilhoes de anos nao terar vida na terra porque o nosso sol esta perdendo gás e massa e ficando cada vez + forte, e que num futuro proximo engulirar os planetas perto dele como a terra . E na biblia diz que o mundo se acabarar em fogo quer um fogo maior que esse ? agora voltando ao começo se o homem continua-se a viver como antigamente o fim estara bem + perto afinal se cada um vive-se mil anos quantas pessoas de sua geraçao iria viver para ver o fim da terra ou do sol.

Comentário por shigueo kavaguchi




Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: