Creation Science News


Renascido do Dilúvio: Mar Mediterrâneo encheu-se em menos de dois anos
16/10/2010, 9:36 AM
Filed under: :::::: PUBLICAÇÕES: A - Z ::::::

Estudo mostra como o Mar Mediterrâneo escapou de se tornar um deserto, recebendo as águas do Atlântico numa enchente que durou dois anos

Mar mediterrâneo visto do espaço

[Texto em verde e entre colchetes: comentado por Daniel F. Zordan]

Berço da civilização ocidental e dotado de algumas das paisagens mais deslumbrantes do mundo, o Mar Mediterrâneo já escapou de se tornar um deserto. Há cerca de 6 milhões de anos, quando movimentações tectônicas juntaram o norte da África ao que hoje se conhece por Península Ibérica, o Mediterrâneo acabou separado do Oceano Atlântico por uma cadeia de montanhas. [Não poderia todos esses acontecimentos (“movimentação tectônicas”…”separados por cadeia de montanhas”) terem ocorridos em menos de dois anos, ao invés de milhões de anos?]

A seguir, entrou num processo acelerado de evaporação, favorecido pela extrema salinidade de suas águas. Restou dele uma planície quase seca e estéril, 1,5 metro abaixo do nível do mar. A sequência de acontecimentos que reverteu esse processo de degeneração do Mediterrâneo e lhe deu a exuberância atual há muito é objeto de especulação dos pesquisadores. Agora, um estudo elaborado por cientistas espanhóis do Instituto de Ciências da Terra Jaume Almera, de Barcelona, divulgado na semana passada, lança nova luz sobre o assunto. Segundo a pesquisa, o Mediterrâneo atual nasceu de um dos mais espetaculares dilúvios já ocorridos na história do planeta. [O único mega dilúvio conhecido na história, é o “Dilúvio Bíblico”, narrado em Gênesis. A catástrofe durou menos de 2 anos, e se enquadra perfeitamente nos dados publicados.]

Há 5,3 milhões de anos, também pelo movimento das placas tectônicas, de acordo com o estudo espanhol, a água do Atlântico se lançou com a força de um tsunami sobre as montanhas que o separavam do Mediterrâneo. [A bíblia nos diz que “romperam todas as fontes do grande abismo” (Gen. 7:11), a força seria muita mais forte do que qualquer tsunami.]

As águas correram durante dois anos, com um fluxo equivalente a 1 000 vezes o do Rio Amazonas atual, elevando o nível do Mediterrâneo em 10 metros por dia. Trata-se de um ritmo espantoso para acontecimentos naturais dessa dimensão. [Um estudo cuidadoso dos dados bíblicos revela que o Dilúvio durou 371 dias (mais de um ano). O ritmo é espantoso pelo fato de DEUS ser o autor da catástrofe.]

A erosão provocada pela correnteza violenta teria criado o Estreito de Gibraltar, estabelecendo a ligação que até hoje perdura entre o Mediterrâneo e o Atlântico. Os pesquisadores calculam que a rápida enchente do Mediterrâneo tenha causado uma diminuição de 9,5 metros no nível dos oceanos, com consequências no clima global e, evidentemente, um impacto incalculável no ecossistema europeu da época. [Não foi por menos que o Grand Canyon (EUA) também ficou com as marcas do Dilúvio. O impacto incalculável também pode ser atribuído a origem dos Continentes e dos Oceanos. O planeta era formado por um único bloco de terra chamado Pangeia]

Daniel García-Castellanos, membro do grupo de pesquisa do Instituto de Ciências da Terra Jaume Almera, de Barcelona.

Os cientistas sempre tiveram dificuldade em determinar a dimensão da enchente que devolveu o Mediterrâneo à vida – e quanto tempo ela durou. Achava-se que os registros da passagem da água tinham desaparecido das camadas de solo sob o Estreito de Gibraltar há muito tempo e que, portanto, seria impossível recuperar como o fenômeno se deu. Para levarem a cabo seu estudo, os cientistas espanhóis se beneficiaram das prospecções feitas recentemente no estreito com vistas à construção de um túnel ligando a Espanha ao Marrocos, no norte da África. Durante as escavações, descobriu-se que as camadas subterrâneas do estreito abrigam um canal com 500 metros de profundidade e 10 quilômetros de largura. O canal tem formato de U, o que leva a concluir que é remanescente de uma enchente duradoura e de grandes proporções. [Essas são grandes evidencias do dilúvio. A bíblia nos que “prevaleceram as águas e cresceram grandemente sobre a terra;”…” E as águas prevaleceram excessivamente sobre a terra; e todos os altos montes que havia debaixo de todo o céu, foram cobertos.”…” E prevaleceram as águas sobre a terra cento e cinqüenta dias.” (Gen. 7:18,19,24). O dilúvio foi duradouro e de grande proporção.]

“Até os anos 90, achava-se que a água que fez o Mediterrâneo renascer havia sido conduzida por rios”, diz o geólogo Garcia-Castellanos, que chefiou a pesquisa espanhola. “Agora, os cálculos das medidas da erosão mostram que ela só pode ter sido produzida por um fluxo violento de água, ele completa. Segundo os cálculos elaborados pelos cientistas, a passagem de água do Atlântico para o Mediterrâneo começou lentamente, por uma rachadura.

O aumento do fluxo, devido a novos movimentos tectônicos, transformou a enchente num dilúvio que levou pela frente as formações rochosas. A cada dia, a passagem para o Mediterrâneo ganhava mais 0,5 metro de largura. Quem vê hoje os recantos paradisíacos do litoral do Mediterrâneo não o imagina como cenário de um cataclismo dessas proporções. [A bíblia nos diz, “E as águas iam-se escoando continuamente de sobre a terra, e ao fim de cento e cinqüenta dias minguaram.” (Gen. 8:3). O fluxo de aguá com certeza foi muito grande e violenta, ao ponto de ficar escoando por 150 dias.]

[Obs.: “Grífo nosso”]

Fonte: Veja.com

Referência:

1. D. Garcia-Castellanos1, F. Estrada2, I. Jiménez-Munt1, C. Gorini3,4, M. Fernàndez1, J. Vergés1 & R. De Vicente1 “Catastrophic flood of the Mediterranean after the Messinian salinity crisis” (Nature 462, 778-781 (10 December 2009) | doi:10.1038/nature08555)


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: